A Câmara do Comércio Exterior (Camex), está aguardando o aval do ministro da economia, para baixar uma resolução que prevê zerar as alíquotas de importação de alguns bens.

 

Logo, a resolução abrange as importações dos bens de capital, informática e telecomunicações, que têm produtos nacionais similares.

 

Pois, caso implementada, a medida dará a largada para a abertura comercial prometida por Paulo Guedes desde a campanha atual do presidente.

 

Assim, a medida ainda não entrou em vigor porque aguarda a aprovação da Reforma da Previdência.

 

Em tal caso, a resolução da Camex altera o regime de ex-tarifário, que vale para os países do Mercosul e é um modelo que zera, temporariamente, as alíquotas para importação de máquinas, equipamentos e insumos de tecnologia sem similares na indústria local.

 

Hoje, essa isenção tem validade de dois ano para cada importação.

 

Ainda, a Camex pretende modificar o regime ao permitir que importados com equivalentes na indústria nacional não sejam taxados.

 

Indústria Cortesã 

 

Os representantes da Abimaq acreditam que os participante do Ipea forjaram o resultado sobre o impacto das reduções tarifárias de bens de capital, informática e telecomunicações sobre a economia e emprego.

 

Logo, isso seria favorável para uma abertura comercial mais radical.

 

Então, para mostrar que o Ipea conduziu ao erro, a Abimaq aguarda a conclusão do estudo do LCA.

 

O que está em jogo na importação?

 

O ex-tarifário é a redução temporária da alíquota do imposto de importação de bens de capital (BK), de informática e telecomunicações (BIT), acertada com o Mercosul, sempre quando não houver produção nacional equivalente.

 

Por fim, as importações de bens de capital (BK) são taxadas em 14%, já as de informática e telecomunicações (BIT), em 16%.

 

 

Fonte: Uol

 

6 thoughts on “Importação: produto nacional enfrentará imposto zero”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *